Bellocchio e versão restaurada de "Lavoura Arcaica" fecham repescagem

Dia de “Decálogo” e novidades da Rússia, Croácia e América do Sul

Equipe Cineweb

 Dando a largada na 40ª Mostra, o primeiro dia da programação reserva atrações sem erro – como a exibição, no Cinesesc, das dez partes do sublime Decálogo (88), de Krzystof Kieslowski – investigando, sem viés religioso, as nuances do humanismo possível na Terra a partir da inspiração nos preceitos dos Dez Mandamentos do catolicismo.
Entre as atrações, cinco dicas de jovens diretores, ou veteranos de trajetória cult, para começar a maratona:  
 
 Zoologia
Assista ao trailer
Vencedor do Prêmio Especial do Júri do Festival de Karlovy Vary, este segundo filme do jovem diretor russo Ivan I. Tverdovsky (Corrections Class) promete ser um dos cults da Mostra.
Com um olho fino para o bizarro, ele compõe a história de Natasha (Natalia Pavlenkova), uma mulher de meia-idade, que mora com a mãe idosa e ultra-religiosa e trabalha num zoológico – onde ela se dá melhor com os animais do que com as colegas de trabalho. Sua vida amorosa anda mal também.
Um incidente inusitado muda o rumo das coisas: ela começa a desenvolver uma cauda, que esconde embaixo da roupa. E procura um hospital para tratamento do estranhíssimo problema. Lá, conhece um jovem médico, Peter (Dmitri Groshev), que a examina, tira chapas, como se não fosse nada de extraordinário.Ao invés de repulsa, Peter fica intensamente curioso e atraído por ela. E os dois começam um romance, também sujeito a altas voltagens de estranheza.
O que vale realmente na história é sua capacidade de gerar metáforas, investigando o ambiente burocrático e invejoso dentro da administração do hospital, a família e todo o funcionamento desta sociedade intensamente disfuncional, abalada por lendas e preconceitos em relação às mulheres. A questão da tolerância e da possibilidade de troca entre seres muito diferentes é outro dos muitos temas deste filme verdadeiramente intrigante. (Neusa Barbosa)
CINEARTE 1  - 20/10/16 - 16:10  
CIRCUITO SPCINE LIMA BARRETO - CCSP  - 21/10/16 - 18:40
ESPAÇO ITAÚ DE CINEMA - FREI CANECA 2   26/10/16 - 13:30
CINESALA  - 01/11/16 - 22:00
 
 Encarando meu prato
Assista ao trailer
O longa de estreia da jovem cineasta croata Hana Jusic oferece denso material para um mergulho na sociedade croata, a partir do microcosmo de uma família de classe média altamente disfuncional.
A protagonista é a jovem Marijana (Mia Petricevic). Enfermeira que dá duro num hospital, ela mora com os pais e o irmão, que tem uma leve deficiência mental. O pai é violento e brutal, a mãe, acomodada, mimando o irmão. Quando o patriarca sofre um derrame, a ordem é rompida.
Marijana assume completamente o sustento da casa, uma situação que a coloca cada vez mais em confronto com o egoísmo e a insensibilidade da mãe – mesmo a deficiência do irmão parece ser também um disfarce, uma forma de não encarar a vida.
O filme projeta, então, a jornada desta jovem mulher solitária e tímida em busca de independência, felicidade amorosa e afirmação, diante de um contexto que parece altamente excludente, muitas vezes violento. (Neusa Barbosa)
CINEMATECA - SALA BNDES  - 20/10/16 - 19:20
ESPAÇO ITAÚ DE CINEMA - FREI CANECA 3 - 22/10/16 - 15:20 
ESPAÇO ITAÚ DE CINEMA - FREI CANECA 5 - 23/10/16 - 22:00
CIRCUITO SPCINE PAULO EMILIO - CCSP  - 27/10/16 - 18:30 
 
 Nascimento
Assista ao trailer
O longa de estreia do diretor colombiano Martin Mejía é uma viagem ao coração da selva colombiana, em que acompanha o cotidiano de uma família camponesa.
Com poucos diálogos e uma câmera documental, o diretor acompanha as tarefas desta família, formada por uma mulher mais velha, seus filhos e a filha, que está nos últimos dias de gravidez.
É possível, às vezes, quase ouvir uma gota de chuva cair numa folha, tal o ritmo contemplativo imposto à narrativa, que procura captar, quase em tempo real, o clima destas vidas, ocupadas em funções de sua sobrevivência, pescando, plantando e colhendo milho, preparando comida e reciclando a vida. (Neusa Barbosa)
CINEARTE 1  - 20/10/16 - 20:00
ESPAÇO ITAÚ DE CINEMA - FREI CANECA 5 - 21/10/16 - 15:00
ESPAÇO ITAÚ DE CINEMA - AUGUSTA ANEXO 4 - 23/10/16 - 15:50
ESPAÇO ITAÚ DE CINEMA - FREI CANECA 6 - 29/10/16 - 13:30 
 
 O Plano de Maggie
Assista ao trailer
Em seu novo longa, Rebecca Miller faz uma espécie de anticomédia romântica, em que o impulso da protagonista não é ficar com o herói no final, mas separar-se dele, porque ele não é bem o que ela pensou que era. A personagem central é Maggie (Greta Gerwig), que decide estar na hora de ter um filho; depois será tarde demais. O escolhido para fornecer o material para inseminação artificial é um antigo conhecido (Travis Fimmel). Mas, durante esse processo, ela conhece um professor na universidade onde ela também trabalha, e se apaixona por ele.
Trata-se de John (Ethan Hawke), um antropólogo aspirante a romancista, casado com uma mulher mais bem-sucedida do que ele, Georgette (Julianne Moore). Na verdade, o sucesso dela no mundo acadêmico o oprime levemente, a ponto de deixar se levar por Maggie, envolver-se com ela, deixando a mulher e filhos.
Alguns anos depois, os dois estão casados, e com uma filha pequena. Maggie se dá bem com o casal de filhos adolescentes de John, mas o marido ainda não acabou o tal romance, que já passa das 500 páginas. É nesse momento que Maggie percebe que nem tudo saiu como ela queria, que John poderia ser bem mais feliz com Georgette – e ela, Maggie, também poderia ser mais feliz sem ele. E arma um novo plano.
Rebecca, também autora do roteiro, coloca o mundo acadêmico – com suas pequenas guerras de egos disfarçadas – como cenário e faz uma comédia ácida sobre o estado da cultura e da teoria. Umas três pessoas sugerem a John, por exemplo, irem a um congresso no Canadá apenas porque Žižek vai estar lá, e ele vai. É também uma comédia sobre a fugacidade do desejo humano e a constante insatisfação que nos move. (Alysson Oliveira)
ESPAÇO ITAÚ DE CINEMA - FREI CANECA 1 - 20/10/16 - 17:30
CINEMARK CIDADE SÃO PAULO - 22/10/16 - 21:00
ESPAÇO ITAÚ DE CINEMA - FREI CANECA 2   24/10/16 - 16:00
ESPAÇO ITAÚ DE CINEMA - FREI CANECA 3   02/11/16 - 19:10 
 
 O ignorante
Assista ao trailer
Pelo terceiro não consecutivo, a Mostra exibe um filme do francês  Paul Vecchiali. Depois de Noites Brancas no Píer (2014) e É o Amor (2015), é a vez de O Ignorante, que foi exibido no Festival de Cannes. O diretor, que também assina o roteiro, interpreta o personagem principal, Rodolphe, um homem solitário, vivendo de recordações do seu passado até a chegada do filho, interpretado por Pascal Cervo, presença constante nos últimos longas do cineasta.
Os dois não são muito próximos, mas, a partir do momento em que o rapaz impõe sua presença, mudando-se para a casa do pai, a relação dos dois se transforma. O Ignorante é um filme labiríntico, cujas paredes são formadas pela memória dos romances de Rodolphe. Ao longo dos próximos dias, o personagem receberá a visita de antigas paixões do seu passado – interpretadas por atrizes como Annie Cordy e Françoise Lebrun.
Essa busca pelo tempo perdido é também a oportunidade de Laurent (Cervo) descobrir quem é realmente seu pai. Há ainda uma grande paixão mal resolvida nesse passado, que resultou em frustrações e no casamento de Rodolphe. Essa mulher é interpretada por Catherine Deneuve.
Vecchiali mantém seu estilo peculiar e contido – há dois números musicais inesperados e melancólicos, como de costume –, e sua investigação emocional é precisa, resultando num dos filmes mais acessíveis de sua filmografia recente. Há também uma espécie de concessão ao trazer para o elenco atores famosos (além de Deneuve, também estão Mathieu Amalric e Edith Scob), sem nunca realmente abrir mão daquilo que seus fãs esperam. (Alysson Oliveira)
CINEMARK CIDADE SÃO PAULO - 20/10/16 - 21:00 -
ESPAÇO ITAÚ DE CINEMA - FREI CANECA 2 - 21/10/16 - 13:30
CINESALA - 23/10/16 - 21:45
ESPAÇO ITAÚ DE CINEMA - AUGUSTA 1-25/10/16 - 15:50
ESPAÇO ITAÚ DE CINEMA - FREI CANECA 3 - 26/10/16 - 14:50
 
La Ciénaga – Entre El Mar y La Tierra
O pântano destacado no título do colombiano La Ciénaga – Entre El Mar y La Tierra  é um cenário muito distinto, por se situar em uma pequena faixa de terra na qual, do outro lado, se encontra o mar do Caribe, e, por analogia, dialogar com a situação do protagonista. A atuação de Manolo Cruz, que também assina o roteiro, como este jovem com os movimentos limitados, mas a mente e o coração muito ativos, é mais poderosa por sua capacidade de transmitir estes sentimentos do que pelos 20 kg que perdeu para o papel para este papel; e encontra em Vicky Hernández uma resposta emocionalmente sincera.
Não é por menos que ambos receberam o Prêmio Especial do Júri de atuação no Festival de Sundance, onde o filme de Carlos del Castillo também foi premiado pelo público. Cruz interpreta Alberto, que diagnosticado quando criança com distonia, hoje, aos 28 anos, sofre com os avanços da doença degenerativa. Acamado e tendo de viver com a ajuda de um velho respirador, ele mora em uma palafita com a dedicada mãe (Hernández), recebendo as visitas de sua amiga de infância, a atenciosa e bela Giselle (a carismática Viviana Serna), por quem é apaixonado, enquanto sonha em estar no mar.
A trilha sonora de David Murillo R. pontua exageradamente alguns momentos, dando-lhes uma carga extra e desnecessária de melodrama. Mas chega a ser curioso o modo como a música chega a seu ápice e logo é interrompida, sem aviso. Usando diversas vezes o ponto de vista limitado do protagonista, Carlos del Castillo se destaca em seu début em longas pelo retrato diário daquela comunidade pobre e vívida, e da situação, representada de forma mais real e pungente que outras produções com temática semelhante, além da ótima direção de atores.
A devoção materna e o humor cotidiano entre mãe e filho criam intimidade com a plateia, que se envolve quando a angústia começa a crescer naquele singelo lar, culminando em um final compreensível poeticamente para o espectador, ainda que não partilhe do mesmo pensamento. (Nayara Reynaud)
 
CIRCUITO SPCINE PAULO EMILIO – CCSP - 20/10/16 - 20:20
CINESALA - 20/10/16 - 14:00
CINEARTE 2 - 22/10/16 - 22:10
CIRCUITO SPCINE LIMA BARRETO – CCSP - 23/10/16 - 20:15
ESPAÇO ITAÚ DE CINEMA - FREI CANECA 5 - 30/10/16 - 19:50
ESPAÇO ITAÚ DE CINEMA - FREI CANECA 2 - 02/11/16 - 13:30
 
Las Plantas
Com um espírito que transita, ao mesmo tempo, entre a passividade e a ousadia, o chileno Roberto Doveris faz de sua estreia em longas um coming of age de surrealismo único sobre o momento de descobertas sexuais que marca a adolescência. Vencedor do Urso de Cristal no Festival de Berlim, dentro do prêmio da juventude Generation 14plus, o filme parte de uma interessante premissa, descrita em uma fictícia história em quadrinhos homônima, de que o espírito das plantas se apossa dos corpos humanos durante a noite para satisfazer a sua ânsia por liberdade e mobilidade, inspirando neles os seus desejos libidinosos.
A alusão de Las Plantas é direta ao irmão de Flor (Violeta Castillo), Sebastián (Mauricio Vaca), que vive em estado vegetativo após um acidente lhe causar danos cerebrais. Como sua mãe (Ingrid Isensee) está doente no hospital e a cuidadora (Marcela de la Carrera) vai embora, cabe à garota cuidar do irmão acamado. Sua solidão é quebrada pelas visitas constantes de seus amigos, que vem ensaiar uma coreografia, e por visitas noturnas que ela caça na internet para alimentar sua curiosidade sexual, já que, a princípio, ela é uma voyeur fixada em ver homens masturbando – aqui, em cenas explícitas.
Elementos da cultura contemporânea, como o cosplay, resultante da influência da cultura pop oriental nas terras ocidentais, e a própria HQ que inspira a protagonista neste desbravamento de sua sexualidade. Violeta Castillo – não confundir com a personagem da novela juvenil do Disney Channel – conduz Flor de forma contida e ainda assina a trilha sonora, atmosférica em seus sintetizadores, com Ignacio Redard. O mesmo efeito de ambientação sombria, entre o onírico e o melancólico, é dado pelos planos estáticos, especialmente, aqueles pontuais em a câmera de Patricio Alfaro dá a visão das plantas do jardim, que se misturam com a steadycam que passeia pela casa no calar da noite. São esses elementos que dão potência à obra de Doveris, cujas ideias, por si sós, não se completam. (Nayara Reynaud)
 
CIRCUITO SPCINE PAULO EMILIO – CCSP      20/10/16 - 20:20
ESPAÇO ITAÚ DE CINEMA - FREI CANECA 2   22/10/16 - 13:30
RESERVA CULTURAL 2              27/10/16 - 18:15
ESPAÇO ITAÚ DE CINEMA - FREI CANECA 6   28/10/16 - 19:15
ESPAÇO ITAÚ DE CINEMA - FREI CANECA 1   29/10/16 - 17:30

Deixe seu comentário:

Imagem de segurança