Budapeste

Ficha técnica


Avaliação do leitor

PéssimoRuimRegularBomÓtimo 1 votos

Vote aqui


País


Sinopse

José Costa é um ghost-writer, que acaba fazendo um pouso forçado na Hungria, onde conhece a bela Kriska, por quem se apaixona. Sua vida agora se divide entre o Rio, onde tem uma mulher, e Budapeste. Mas, em algum momento, terá de fazer uma escolha.


Nota Cineweb

PéssimoRuimRegularBomÓtimo


Crítica Cineweb

21/05/2009

A literatura e o cinema são repletos de personagens em busca de seu semelhante, mais conhecido como duplo, ou, Doppelgänger, ou seja, é a questão da identidade do indivíduo. Se no mundo existe um lugar ideal para alguém procurar a sua metade é Budapeste. Divida Buda e Peste, cortada pelo Rio Danúbio, a cidade é a síntese de um indivíduo dividido entre duas metades.

No longa Budapeste, o protagonista, Costa (Leonardo Medeiros, de Feliz Natal), está divido em dois: vive entre o Rio de Janeiro e Budapeste. Em cada cidade leva uma vida, vive um amor, e é perseguido por seus fantasmas e neuras.

Sua profissão é ghost writer, ou seja, escreve para que os outros levem a fama. E seus livros fazem sucesso, mas quem colhe os louros são aqueles cujos nomes estampam a capa da publicação. Ao fazer uma parada por acaso na Hungria, Costa descobre diversas coisas, como o fato de Budapeste ser amarela, ‘o Húngaro ser a única língua que o diabo respeita’, e a bela Kriska (vivida pela atriz húngara Gabriella Hármori).

Deixando de lado o ensolarado Rio de Janeiro, e se embrenhando em Budapeste que é tão bela quanto fria, Costa começa a aprender húngaro, e se torna o seu duplo, Kósta. No Rio de Janeiro, ficam sua mulher (Giovanna Antonelli, de Caixa Dois) e filho pequeno. Numa festa na Embaixada da Hungria algum húngaro comenta que eles são ‘os cariocas do Leste Europeu’ – o que, no final das contas, facilita a vida para o protagonista.

Com roteiro baseado no romance homônimo de Chico Buarque (que dá sua benção ao filme com uma pequena participação), assinado pela também produtora Rita Buzzar (Olga), Budapeste é um filme que às vezes se deixa seduzir pela beleza de suas imagens – especialmente pelas da cidade húngara – e se deixa levar por uma verborragia descritiva no discurso em off do protagonista. Mas, estranhamente, nada disso, que poderia ser um grande problema, atrapalha o andamento do filme.

A direção é de Walter Carvalho, um dos mais renomados diretores de fotografia (Lavoura Arcaica, Cleópatra) em atividade no Brasil, que co-dirigiu Cazuza – O Tempo Não Para, com Sandra Werneck, Janela da Alma, com João Jardim, e em solo o documentário Moacir Arte Bruta. Talvez por conta disso “Budapeste” é um filme que encontra força nas suas imagens, como uma estátua de Lênin descendo o Rio Danúbio, ou livros escritos nos corpos de mulheres.

O livro de Chico Buarque, lançado em 2004, lida, nas entrelinhas com outra questão: a metalinguagem. Na tela é mais complicado levantar isso de uma hora para outra, mas Carvalho e a roteirista encontram uma saída muito interessante que se revela apenas nas últimas imagens do filme.

“Separar uma palavra da outra é como cortar um rio à faca”, comenta Kósta, se referindo, claro, à Budapeste, mas também pode estar falando de si mesmo, afinal, os duplos se complementam, por isso estamos sempre em busca do nosso Doppelgänger. O filme é a jornada do protagonista em busca de sua identidade, de seu complemento. E, às vezes, precisamos atravessar um oceano para encontrar aquilo que está dentro de nós mesmos.

Alysson Oliveira


Deixe seu comentário:

Imagem de segurança