Adeus Berthe - o enterro da vovó

Ficha técnica


Avaliação do leitor

PéssimoRuimRegularBomÓtimo 3 votos

Vote aqui


País


Sinopse

Armand queria ser mágico, mas transformou-se em farmacêutico. Casado com Héléne, envolve-se com Alix. No meio desse impasse, morre sua avó, Berthe. E ele descobre que ela levou uma vida mais intensa do que ele pensava.


Extras

Áudio: francês DTS HD MA 5.1; legendas: português e inglês; formato de tela: widescreen anamórfico


Nota Cineweb

PéssimoRuimRegularBomÓtimo


Crítica Cineweb

27/03/2013

O ator francês Denis Podalydès pisca um olho a Jacques Tati, outro a Woody Allen, para atuar e co-escrever esta comédia dramática extremamente original e deliciosa de assistir, também roteirizada e dirigida por seu irmão, o ator Bruno Podalydès.
 
A história não percorre aqueles velhos caminhos batidos, buscando surpreender, ao acompanhar a trajetória do farmacêutico de subúrbio  Armand Lebrecq (Denis Podalydès). Ele está dividido entre duas mulheres, a sua própria, Hélène (Isabelle Candelier), que não aceita a separação, e a amante, Alix (Valérie Lemercier), mãe de uma menina, junto de quem Armand exercita seu lado brincalhão, com os truques de mágico que ele tanto gosta de fazer.
 
A morte de Berthe, avó dele, abre um atalho, um respiro neste impasse. E, ao descobrir a vida que Berthe escondeu, quando vão tratar de seu enterro, ele e a amante (que foram usufruir da viagem como uma travessura), reveem as possibilidades da própria vida – que é tão maior que a dominância mesquinha da sogra avarenta dele (Catherine Hiegel) e do esnobismo pedante do mestre de cerimônias de uma pseudo-sofisticada empresa funerária (Michel Vuillermoz) que ela escolheu para o sepultamente da vovó Berthe.
 
Neste segmento em que se mostram os pacotes temáticos de sepultamentos, o enredo se permite uma viagem das mais alucinantes e cômicas do filme, uma fina ironia sobre os absurdos do consumismo. A empresa se chama Définitif (Definitiva), como um perfume, e os pacotes têm nomes como “Crepúsculo”, com direito a luzes como um show.
 
Assim, falando de morte, Alzheimer (mal que acomete o pai de Armand, interpretado pelo brilhante Pierre Arditi, habituê dos filmes de Alain Resnais), divórcio, indecisão, Adeus Berthe extrai graça de onde menos se espera, delineando personagens contemporâneos e complexos, atolados na tecnologia de celulares que não garantem a comunicação, mesmo que funcionem – porque a imprevisível essência do ser humano, afinal, vai além.  

Neusa Barbosa


Trailer


Deixe seu comentário:

Imagem de segurança