LEGO Ninjago - O Filme

Ficha técnica

  • Nome: LEGO Ninjago - O Filme
  • Nome Original: The LEGO Ninjago movie
  • Cor filmagem: Colorida
  • Origem: EUA
  • Ano de produção: 2017
  • Gênero: Aventura, Animação
  • Duração: 100 min
  • Classificação: Livre
  • Direção: Charlie Bean
  • Elenco:

Avaliação do leitor

PéssimoRuimRegularBomÓtimo 0 votos

Vote aqui


Locais de filmagem


Sinopse

Lloyd é um adolescente ninja que defende a cidade de Ninjago do vilão Garmadon. Mas este também é seu pai, que o negligenciou a vida toda.


Nota Cineweb

PéssimoRuimRegularBomÓtimo


Crítica Cineweb

19/09/2017

Quantas piadas podem ser feitas pelo fato de os bonecos do LEGO não terem dedos? Inúmeras. Quantas são engraçadas? Nenhuma. A insistência dessa piada ao longo de LEGO Ninjago: O Filme dá ideia de quão mal resolvida é a terceira produção da série – segunda a ser lançada neste ano; a outra tinha Batman como protagonista. Aqui, o que havia de sagaz e divertido nos outros filmes transforma-se numa sucessão de diálogos e situações sem graça, que não sustentam um longa.
 
O protagonista da animação é Lloyd, também conhecido como O Ninja Verde, que, a contrário de seus colegas, não sabe o que sua cor significa. E esse não é o único problema em sua vida de adolescente. Ele é o filho negligenciado de um grande vilão, Garmadon, que quer dominar a cidade japonesa onde moram, e depois o mundo.
 
Ninja Verde e seus amigos são a única saída para a humanidade. Mas além de salvar o mundo, ele precisa resolver os problemas paternos que o consomem. Fora isso, um gato gigante também ameaça destruir a cidade. É coisa demais para um bonequinho de poucos centímetros e repleto de problemas emocionais resolver.
 
O roteiro é assinado por seis profissionais, o que pode acabar explicando os diversos caminhos para onde o filme aponta, sem percorrer nenhum a contento. São pequenas histórias que nem sempre estão muito bem ligadas, com uma tirada de humor aqui e ali, frouxas, como a trama.
 
A relação entre pai e filho – inspirada em Darth Vader e Luke Skywalker – talvez seja o ponto mais forte do filme. Por isso, merecia ser mais bem desenvolvida, o que poderia gerar mais momentos de humor. Mas o trio de diretores estreantes em longas - Charlie Bean, Paul Fisher e Bob Logan – insistem nas cenas de ação sem respiro, tornando o filme um tanto exagerado, calcando-se em tudo aquilo de pop que havia satirizado no primeiro longa da série – especialmente nas músicas, que foram massacradas com “Everything is Awesone”, aqui, “Nothing is awesome”.

Alysson Oliveira


Trailer


Deixe seu comentário:

Imagem de segurança