O retorno de Ben

Ficha técnica


Avaliação do leitor

PéssimoRuimRegularBomÓtimo 0 votos

Vote aqui


País


Sinopse

Ben, um jovem em tratamento numa clínica contra o vício de drogas, inesperadamente, vem para casa de sua família para o Natal. Todos insistem que ele volte à clínica pois é um risco ficar sem os cuidados especializados. Sua mãe, porém, assume a responsabilidade de supervisioná-lo.


Nota Cineweb

PéssimoRuimRegularBomÓtimo


Crítica Cineweb

11/03/2019

Existem diversos motivos para assistir a O retorno de Ben mas nenhuma é tão forte quanto Julia Roberts. Há anos, possivelmente desde Erin Brokovich (de 2000, que lhe rendeu o Oscar de atriz, no ano seguinte), ela não tem um papel tão forte e uma atuação tão marcante quanto aqui, como a mãe de um jovem viciado em drogas que volta para casa para o Natal. O filme pode girar em torno do personagem do título, interpretado por Lucas Hedges, mas é Roberts quem rouba a cena.
 
Sem usar seu famoso sorriso, numa personagem que pede compaixão, Roberts encontra a medida certa para compor uma mãe cujo amor pelo filho pode obrigá-la a tomar medidas drásticas. Ben está há quase dois meses numa clínica, mas aparece sem avisar um dia antes do Natal. Ele diz que foi incentivado pelo médico a voltar para casa e passar as festas ao lado da mãe, Holly, e da família. Sua irmã, Ivy (Kathryn Newton), desconfia dessa história e o padrasto (Courtney B. Vance), também. Mas Holly quer acreditar que seja verdade e passar dois dias junto com o filho.
 
Peter Hedges, autor do roteiro, diretor e pai de Lucas, não entrega tudo de uma vez. A narrativa revela detalhes do passado aos poucos, e cada novidade é uma nova justificativa para a apreensão de todos – especialmente do público. O sorriso no rosto de Holly, tentando convencer a família de que Ben mudou, é comovente, porque, no fundo, ela mesma sabe que as coisas não são tão simples – até esconde remédios, joias, dinheiro quando o rapaz chega em casa – quanto parecem. Tanto que o acordo será: Ben poderá ficar, mesmo com o padrasto preferindo que ele volte para a clínica, desde que a mãe esteja o tempo todo ao lado do filho.
 
Isso soa também como uma desculpa para uma espécie de reaproximação, e também expiação de feridas e medos do passado. Os dois fazem tudo juntos. Vão ao shopping fazer compras e ela não tem coragem de deixá-lo sozinho no provador – numa das cenas mais angustiantes de um filme repleto de angústia. Depois, sentindo-se mal, ele diz ter falado com o médico que lhe sugeriu ir a uma reunião de Narcóticos Anônimos. E mesmo nesse ambiente, supostamente seguro, Holly está lá, com ele.
 
Mas é quando a noite cai que o filme também se torna mais soturno. O cachorro da família é sequestrado, e Ben tem certeza de que é uma espécie de vingança contra ele. Quando o rapaz sai em disparada pela rua, de madrugada, Holly vai atrás dele. Mais do que uma longa jornada noite adentro, o filme se torna uma jornada passado adentro, com a dupla tendo que revisitar diversos lugares e pessoas do passado. Feridas que pareciam cicatrizadas vêm à tona e Holly percebe que o poço é mais fundo do que imaginava.
 
O roteiro de Hedges é ao mesmo tempo convencional e surpreendente, tomando caminhos inesperados, mas, acima de tudo, plausíveis. Seu grande feito é a construção das personagens – em especial Holly e Ben (embora todos os coadjuvantes sejam extremamente palpáveis como seres humanos). Pouco sabemos sobre o rapaz, e tudo o que ele conta pode ser mentira; a mãe, por sua vez, é facilmente identificável em sua combinação de culpa, generosidade e medo.
 
O retorno de Ben é um filme sobre uma pessoa de carne e osso tentando salvar seu filho do pior de seus pesadelos e até dele mesmo. Diferente dos personagens recentes de Liam Neeson, por exemplo, que se tornou um papai-é-capaz-de-tudo, a de Roberts é uma mulher mais próxima daquela de Frances McDormand em Três anúncios para um crime, cujas fraquezas são superadas pela dor que as impulsiona em suas lutas. 

Alysson Oliveira


Trailer


Deixe seu comentário:

Imagem de segurança