Chuva é cantoria na aldeia dos mortos

Ficha tcnica

  • Nome: Chuva é cantoria na aldeia dos mortos
  • Nome Original: Chuva é cantoria na aldeia dos mortos
  • Cor filmagem: Colorida
  • Origem: Portugal
  • Ano de produo: 2018
  • Gnero: Docudrama
  • Durao: 114 min
  • Classificao: 12 anos
  • Direo: João Salaviza, Renée Nader Messora
  • Elenco:

Avaliao do leitor

PéssimoRuimRegularBomÓtimo 2 votos

Vote aqui


Pas


Sinopse

Na aldeia de Pedra Branca, comunidade Karhô no Tocantins, o adolescente Ihjãc enfrenta o drama da morte do pai. Ao sentir sinais de que está sendo chamado para ser xamã, ele se assusta e foge para a cidade dos brancos.


Nota Cineweb

PéssimoRuimRegularBomÓtimo


Crtica Cineweb

10/04/2019

Prêmio do júri na mostra Un Certain Regard, em Cannes, a coprodução luso-brasileira de nome poético é assinada pelo diretor português João Salaviza e a brasileira Renée Nader Messora. Na verdade, trata-se de uma obra semidocumental, acompanhando cenas da vida da aldeia de Pedra Branca, comunidade Krahô, no Tocantins, seguindo especialmente o adolescente Ihjãc (Henrique Ihjãc Krahô), que atravessa uma dramática passagem à vida da adulta.
 
Ihjãc perdeu seu pai e deve fazer um ritual para que seu espírito possa viajar em paz para a aldeia dos mortos. Mas, amedrontado por ouvir a voz do pai morto, o que é um sinal de que ele possa estar recebendo um chamado para tornar-se xamã, ele decide partir para a cidade – onde o mal-estar que sente é diagnosticado como hipocondria e ele não encontra tratamento, resposta ou compreensão.
 
De todo modo, esta viagem do rapaz ao mundo dos brancos retrata com clareza a disfunção vivida pelos índios nesse ambiente, em que não encontram lugar ou o devido respeito, já que suas referências não são conhecidas ou entendidas. Tudo isso transcorre, na história, com muita sutileza, nenhum discurso, diante da câmera atenta aos movimentos destes índios, que com certeza entregaram ao filme suas imagens, canções, modo de vida, compartilhando-os com os espectadores. Provavelmente, Darcy Ribeiro, se estivesse vivo, aprovaria esta aproximação respeitosa à cultura indígena que o filme promove. 
 
Leia: Entrevista com os diretores do filme

Neusa Barbosa


Trailer


Deixe seu comentrio:

Imagem de segurana