Notícias

Revista Variety aponta filme póstumo de Orson Welles como possível candidato ao Oscar

Publicado em 31/08/18 às 15h08

The other side of the wind, filme que Orson Welles deixou inacabado, estreou no Festival de Veneza, fora de competição, após ser finalizado pela Netflix, e está sendo apontado pela revista Variety como possível candidato ao Oscar em diversas categorias.
 
O jornalista Kristopher Tapley, que assina a matéria, alega que o longa não deve concorrer na categoria melhor filme, mas em outras. Segundo o texto, além de celebrar o espírito de Welles, a indicação – e até a premiação – seria um reconhecimento pelo excelente trabalho da equipe que finalizou o longa a partir de notas deixadas pelo cineasta.
 
O filme é protagonizado por um diretor de cinema, interpretado pelo diretor John Huston, com dificuldades para terminar seu mais recente trabalho. A equipe que finalizou The other side of the wind foi liderada pelo montador Bob Murawski (Guerra ao Terror), que trabalhou com as 100 horas de filmagens deixadas por Welles junto com suas anotações.
 
O resultado final, segundo o crítico da Variety, Owen Gleiberman, é “um filme excêntrico, um tanto instável, mas extremamente assistível, e Orson Welles está bem vivo nele”. Peter Bradshaw, do jornal inglês The Guardian, classifica o longa como “brilhante” e diz que “quaisquer que sejam suas falhas, [o longa] é cativante, e o estudo de um trabalho destinado a sempre estar em progresso.”
 
Tapley aponta que, além da montagem, a fotografia assinada por Gary Graver, morto em 2006, é digna de ser premiada. Em sua extensa carreira – ele fotografou mais de 200 filmes, além de ter dirigido mais de 140, sendo boa parte deles eróticos –, o diretor de fotografia concorreu apenas a prêmios da indústria pornográfica.
 
O roteiro também pode não passar batido nas premiações. Foi escrito por Welles e sua antiga amante Oja Kodar, que também interpreta uma estrela de um filme dentro de The other side of the wind. A trilha de Michel Legrand também pode ser reconhecida no Oscar.
 
Em sua carreira, Welles ganhou apenas um Oscar, em 1942, pelo roteiro de Cidadão Kane (que também foi indicado na categoria melhor filme), além de um prêmio honorário, em 1971.

Outras notícias