28/02/2024
Erótico Drama

A porta ao lado

Mari e Rafa têm um casamento estável e sem problemas. Até o dia em que se muda para o apartamento ao lado do seu o casal Ísis e Fred. Com um comportamento anticonvencional, a segunda dupla sacode as certezas de Mari com relação à sua vida.

post-ex_7
A diretora Julia Rezende, 37 anos, chega ao ao oitavo longa, A Porta ao Lado, definindo uma carreira em que busca um cinema de diálogo com o grande público sem perder de vista o apuro técnico, como se observa em seus filmes anteriores, a tríade e série Meu Passado me Condena, Ponte Aérea, Um Namorado para minha Mulher e Depois a Louca Sou Eu
 
Exibido em competição no Festival de Gramado 2022, o drama erótico A Porta ao Lado parte de um roteiro de Patrícia Corso e LG. Bayão para retratar o envolvimento entre dois casais, Mari (Letícia Colin) e Rafa (Dan Ferreira), de um lado, e Ísis (Bárbara Paz) e Fred (Túlio Starling), do outro. Os primeiros são convencionais, os segundos, têm um casamento aberto. E tudo se complica quando a segunda dupla vai morar no apartamento vizinho à outra.
 
O enredo investe bastante energia na personagem Mari, uma esposa insatisfeita que tem seu desejo despertado por Fred - o que dá origem a cenas de sexo ousadas e filmadas com bastante elegância. Mas, nessa bolha fechada numa classe média alta que parece viver num planeta à parte, um certo artificialismo à la Adrian Lyne contamina tudo. Não dá para acreditar na humanidade real de nenhum destes personagens, todos eles tipos monocórdicos, exceto Ísis - uma mulher um pouco mais velha e madura, de cujas nuances a experiente Bárbara Paz extrai algumas das poucas faíscas de um filme estranhamente frio, apesar da inegável qualidade de produção. 
post