20/02/2024
Musical Animação

Atiraram no pianista

A animação documental e musical trata da história do pianista brasileiro Tenório Jr., desaparecido em Buenos Aires em março de 1976, quando participava de uma turnê acompanhando Vinícius de Moraes e Toquinho. Quem procura desvendar seu percurso é um jornalista norte-americano, Jeff Harris, que entrevista diversos artistas brasileiros, como Chico Buarque de Holanda, João Donato e outros.

post-ex_7
Lançada no Festival de Toronto, em setembro, e abrindo o Festival do Rio, em outubro, esta criativa animação documental e musical trata da história do pianista brasileiro Tenório Jr., desaparecido em Buenos Aires em março de 1976, quando participava de uma turnê acompanhando Vinícius de Moraes e Toquinho.
 
Unindo-se a Javier Mariscal, que já fora seu parceiro em outra animação, Chico & Rita (2010), o diretor espanhol Fernando Trueba usa, mais uma vez, o formato de maneira criativa e convincente para recobrir o que é, afinal, um documentário com toques ficcionais. O diretor, que já revelara seu amor e conhecimento profundo da música no documentário Rua 54 (2000), uma extensa viagem pelo jazz latino, vale-se de uma sólida pesquisa, realizada ao longo de quatro anos, criando na tela um alter ego, o jornalista norte-americano Jeff Harris (com a voz de Jeff Goldblum), protagonista ficcional do enredo. Descobrindo, por uma gravação dos anos 1960, o talento do pianista Tenório Jr., Harris vem ao Rio de Janeiro em 2009 para escrever um livro sobre Bossa Nova. A história do desaparecimento do músico, no entanto, acaba dominando seu interesse, mudando o foco de seu livro para uma investigação à qual não falta um preciso toque político.
 
Um recurso interessante é usar várias vozes verdadeiras para dublar os personagens ouvidos - caso de artistas brasileiros como Chico Buarque de Holanda, Caetano Veloso, Milton Nascimento e João Donato, vários músicos estrangeiros e amigos e familiares do pianista - cuja mulher estava grávida de seu quinto filho quando ele desapareceu. No caso de alguns personagens já mortos, como Vinicius de Moraes, o diretor recorre a preciosos materiais de arquivo - aqui, uma entrevista inédita de Vinicius sobre o caso de Tenório. 
 
Além de resgatar os sinais inequívocos do talento do músico, morto precocemente aos 35 anos, Trueba traz para o centro da história o peso das ditaduras militares sul-americanas - que, em última análise, foram responsáveis diretas por seu assassinato. Ele resgata, por exemplo, o depoimento de um ex-agente argentino, Claudio Vallejo, que passou pelo Brasil e deu entrevistas, anos depois, relatando as reais condições da prisão e do assassinato de Tenório Jr. nas dependências da temível ESMA - a Escola Mecânica da Armada, um dos maiores centros de tortura da ditadura argentina, por onde passaram cerca de 5.000 presos, sendo que não mais de 200 sobreviveram. Esse também foi o caso do pianista brasileiro, que foi detido quando saiu de seu hotel, de madrugada, aparentemente para comprar um remédio na farmácia que ficava próxima. E nunca mais foi visto, como resultado de uma decisão criminosa tomada pelas autoridades argentinas para esconder seu engano, mas que contou com a conivência do governo brasileiro, então chefiado pelo general Ernesto Geisel.
 
Apesar deste inevitável comentário político, o filme se nutre predominantemente de muita e boa música, apresentando a um público internacional momentos cruciais da história da música brasileira - como o lançamento da Bossa Nova, com a música Chega de Saudade, marca do mágico encontro entre Vinicius de Moraes e Tom Jobim, que tem a participação de João Gilberto nos arranjos que ganharam o mundo.
 
Atiraram no Pianista, aliás, vai mais longe, lançando a tese de que, caso não houvesse acontecido a ditadura de 1964 no Brasil, a música brasileira teria dominado o mundo a partir da Bossa Nova, que tantas influências produziu. Assim, a morte precoce de Tenório Jr. teria sido uma espécie de metáfora para este corte profundo que a ditadura brasileira produziu no País e em sua cultura. 
 
Por esta densidade, é possível incluir Atiraram no Pianista na boa companhia de animações que transcenderam as limitações que eram impostas ao gênero, caso de Valsa com Bashir, de Ari Folman, e Flee, de Jonas Poher Rasmussen, para ficar em dois exemplos recentes. 
post