20/02/2024
Drama

Pedágio

Suellen é funcionária de um pedágio na estrada de Cubatão (SP). Vive uma vida sacrificada, como mãe solo de um adolescente, Tiquinho. O filho é homossexual e posta vídeos musicais na internet, que a incomodam. Instigada por uma amiga evangélica, ela tenta juntar dinheiro para pagar um pastor estrangeiro que promete uma "cura gay".

post-ex_7

Seguindo a rota aberta em seu primeiro longa, Carvão, a diretora Carolina Markowicz aprofunda em Pedágio um estilo que investiga os meandros de modos de vida periféricos - desta vez, expondo a vida de Suellen (Maeve Jinkings), funcionária de um pedágio em Cubatão (SP) e mãe solo do adolescente Tiquinho (Kauan Alvarenga).

Suellen é o protótipo da trabalhadora sacrificada, uma mulher ainda jovem que passa os dias num emprego rotineiro e mal-pago, em que a estrada que ela descortina de seu posto leva todo mundo para algum lugar - menos ela. Ela divide suas angústias com uma colega, Telma (Aline Maria Marta), uma mulher madura, casada, evangélica, que esconde um comportamento contraditório ao seu discurso moralista, fazendo sexo com vários homens passando pela estrada - a sua maneira de desafogo.

A diretora, também roteirista, estabelece a religião, no caso a evangélica, como território para explorar o choque de narrativas que permeia o país, criando o conflito básico no esforço de Suellen para custear um suposto tratamento de “cura gay” para o filho, que será oferecido na igreja da colega.

Muitas cenas do filme se passam neste tratamento, conduzido por um pastor português (Isac Graça), e que incluem práticas de um absurdo risível, na exibição de imagens e objetos que teriam o poder de reorientação sexual para os frequentadores. Um absurdo que afunda, muitas vezes, na caricatura, que é o que o filme parece buscar neste segmento.

A rigor, Pedágio não tem a mesma contundência de outros filmes internacionais sobre a malfadada “cura gay”, como O Mau Exemplo de Cameron Post e Boy Erased: Uma Verdade Anulada, também porque seu foco principal está na trajetória da mãe, que predomina sobre esse tema. Afinal, o interesse está em Suellen, que busca o risco quando tenta obter o dinheiro para o tratamento do que ela considera uma doença do filho, aliando-se aos interesses de um namorado criminoso, Arauto (Thomas Aquino).

Premiado em festivais como o de Roma e do Rio, além de garantir um Tribute Award em Toronto para Carolina Markowicz na categoria Emerging Talent, Pedágio envereda por uma crítica social que retrata uma protagonista solitária em sua batalha pela vida no mundo, fechada em ignorância e não só sobre a sexualidade do filho - que é quem, afinal, busca alianças melhores para uma vida que se afigura pequena, com direito a poucos sonhos. 

post