16/04/2024
Documentário

Nada será como antes - A música do Clube da Esquina

Documentário vai para a Belo Horizonte do começo dos anos de 1970 para resgatar a história do Clube da Esquina e seus membros ilustres, como Milton Nascimento e Lô Borges, que produziram um disco icônico.

post-ex_7

Quem procurar o termo Clube da Esquina na Wikipedia irá encontrar informações factuais, dados precisos porém, só um documentário é capaz de trazer um colorido, histórias pessoais, coisas que só os participantes desse grupo poderiam contar. Nada Será Como Antes – A Música do Clube da Esquina, de Ana Rieper, cumpre essa função, de resgatar uma história em primeira pessoa.

O ponto de partida é o disco icônico Clube da Esquina, de 1972, que conta com 21 músicas interpretadas por Milton Nascimento, Lô Borges, Fernando Brant, Ronaldo Bastos, entre outros. Resgatando a história do álbum, o filme resgata, também, um momento da história do Brasil. 

Com rica pesquisa de imagens de arquivo, além de novas entrevistas, o filme promove reencontros musicais do grupo, com novas versões de clássicos. Nos depoimentos, assinala-se, entre outras coisas, que o Clube da Esquina é fruto do movimento estudantil e do cinema. Filmes como Jules e Jim – Uma Mulher Para Dois e Help foram fundamentais para o grupo. 

“O cinema sempre fez parte da minha vida. Minhas músicas sempre são pedaços de filmes”, comenta Milton Nascimento. Logo depois desse depoimento, entra Um girassol da cor de seu cabelo, na interpretação de Lô Borges, uma música altamente cinematográfica em sua construção de imagens e de uma narrativa. 

Essa viagem musical é marcada pela delicadeza profunda das composições da trupe do Clube da Esquina, que deu ao mundo versos como “Porque se chamavam homens/Também se chamavam sonhos/E sonhos não envelhecem/Em meio a tantos gases lacrimogênios/Ficam calmos, calmos”. São músicas que já estão marcadas na MPB, e cujas histórias resgatadas aqui jogam luz no passado, mas também há a oportunidade de apresentá-las a toda uma nova geração, além de ser um belo registro para a posteridade. 

 

Clique aqui para ler entrevista com a diretora.

post