14/06/2024
Drama

A musa de Bonnard

Pierre Bonnard era um pintor construindo sua carreira quando, em 1893, conheceu Marthe de Méligny e lhe pediu para posar para ele. Os dois acabaram se apaixonando e vivendo juntos, mas, mais do que musa, ela também desenvolveu sua carreira como pintora. Nos cinemas.

post-ex_7

O título nacional de A Musa de Bonnard já coloca sua protagonista feminina numa posição que talvez o filme não esteja corroborando em si. Aponta-a como figura passiva, que apenas inspirou e serviu de modelo ao marido e pintor francês pós-impressionista Pierre Bonnard, quando o retrato aqui é um pouco mais complexo. 

Marthe (Cécile de France) e Pierre Bonnard (Vincent Macaigne) se conhecem por acaso na rua, quando ele a detém e pede para posar para ele. Ela trabalha numa fábrica de flores artificiais e logo fica encantada (talvez até demais) com o mundo da arte. Não demora muito para ficarem juntos, mas ela não consegue se adaptar ao mundo boêmio dele. 

Dirigido por Martin Provost, o filme aponta para a inegável química entre o casal, especialmente na intimidade, mas talvez isso não seja suficiente para manter um relacionamento - especialmente quando ela tem um ataque de asma e um médico decreta que ela não viverá muito. Bem, ela viveu mais de 70 anos e, mesmo à sombra do marido, com altos e baixos, construiu sua carreira como pintora também.

O filme concentra-se, em boa parte, nessa transformação de Marthe, cuja sensibilidade artística parece natural. No entanto, o marido famoso sempre se destacava mais, num século XIX marcado pelo poderio masculino e o sufocamento e opressão das mulheres. 

Provost, que assina o roteiro com Marc Abdelnour, evita simplificações da estrutura mais comum das biografias, e concentra-se mais no relacionamento entre os protagonistas e como isso afetou suas carreiras, em especial a de Marthe, uma figura menos conhecida do que Bonnard, assim como a arte dela. 

Mais conhecido por personagens urbanos com barba por fazer e cabelo desgrenhado e comprido, Macaigne assume aqui outro visual, mais comportado e em sintonia com a figura do pintor. Mas o filme é da atriz belga de France, numa personagem complexa em sua transformação, marcada por altos e baixos físicos e emocionais. A Musa de Bonnard nos lembra da importância de Marthe não para a obra de Bonnard, mas para ela mesma. 

 

post