27/02/2024

Festival do Rio começa com animação sobre pianista brasileiro Tenório Jr.

 
Créditos: Javier Mariscal/Divulgação
 
Com a animação Atiraram no Pianista, dos diretores Fernando Trueba e Javier Mariscal, começa nesta quinta (5), no Cine Odeon, o 25o. Festival do Rio. Lançada no mais recente Festival de Toronto, em setembro, o filme trata da história do pianista brasileiro Tenório Jr., desaparecido em Buenos Aires em março de 1976, quando participava de uma turnê acompanhando Vinícius de Moraes e Toquinho. Desenhista e ilustrador, famoso pela criação do mascote Cobe dos Jogos Olímpicos de Barcelona 1992, Mariscal estará presente à sessão no Rio. 
 
 Unindo-se a Javier Mariscal, que já fora seu parceiro em outra animação, Chico & Rita (2010), Trueba usa o formato de maneira criativa e convincente para recobrir o que é, afinal, um documentário com toques ficcionais. O diretor espanhol vale-se de uma extensa pesquisa, realizada ao longo de quatro anos, transformando na tela em seu alter ego um jornalista norte-americano, Jeff Harris (com a voz de Jeff Goldblum), protagonista ficcional do enredo. Descobrindo, por uma gravação dos anos 1960, o talento do pianista Tenório Jr., o jornalista vem ao Rio de Janeiro para realizar um livro sobre a bossa nova. A história do desaparecimento do músico, no entanto, acaba dominando seu interesse, mudando o foco de seu livro.
 
 Um recurso interessante é usar várias vozes verdadeiras para dublar os personagens ouvidos - caso de artistas brasileiros como Chico Buarque de Holanda, Caetano Veloso, Milton Nascimento e João Donato, vários músicos estrangeiros, e amigos e familiares do pianista desaparecido.
 
Além de resgatar os sinais do talento do músico morto precocemente, aos 35 anos, Trueba traz para o centro de sua história o peso das ditaduras militares sul-americanas - que, em última análise, foram responsáveis por seu assassinato. Ele resgata, por exemplo, o depoimento de um ex-agente argentino, Claudio Vallejo, que passou pelo Brasil e deu entrevistas, anos depois, relatando as reais condições da prisão e do assassinato de Tenório Jr. nas dependências da temível ESMA - a Escola Mecânica da Armada, um dos maiores centros de tortura da ditadura argentina, por onde passaram cerca de 5.000 presos, sendo que não mais que 200 sobreviveram. Esse também foi o caso do pianista brasileiro, que foi detido quando saiu de seu hotel, de madrugada, aparentemente para comprar um remédio na farmácia que ficava próxima. E nunca mais foi visto.
 
Atiraram no Pianista tem estreia prevista nos cinemas brasileiros para o dia 26 de outubro.
 
O Festival do Rio prossegue até 15 de outubro. 

Notícias relacionadas