34ª. Mostra Internacional de São Paulo

Scorsese e Godard dão o tom no feriadão

Neusa Barbosa

Scorsese e Godard dão o tom no feriadão

Os novos trabalhos de dois mestres respeitados, o norte-americano Martin Scorsese e o veterano francês Jean-Luc Godard, se destacam nesta segunda, já na reta final da programação normal da Mostra, que termina na quinta.

Deixando de lado seus dramas contundentes, como Os infiltrados, que lhe deu o Oscar de direção em 2007, Scorsese assina Uma carta para Elia (foto), um documentário de apenas 60 minutos, em que examina a figura do cineasta Elia Kazan (1909-2003).
 
Aparecendo em cena, com sua inconfundível voz anasalada e fala rápida, Scorsese compõe uma apaixonada, mas muito bem-fundamentada declaração de amor por Kazan, comentando trechos de seus filmes, como Sindicato de ladrões (1954) e Vidas Amargas (1955). Também utiliza imagens raras de Kazan como ator no teatro e no cinema, revelando facetas pouco lembradas do futuro diretor.
 
Como não poderia deixar de ser, Scorsese posiciona-se sobre a grande mancha no passado de Kazan, sua colaboração com o macartismo - o famoso depoimento ao Comitê de Investigação de Atividades Antiamericanas, em 1952, no qual delatou antigos companheiros comunistas do Group Theater. E sustenta o argumento de que o diretor ficou estigmatizado apenas porque foi o único colaboracionista a vir a público explicar suas razões, o que fez por meio de uma carta aberta publicada em jornais da época.
Scorsese não deixa de lembrar que Kazan fez seus melhores filmes, curiosamente, depois do malfadado episódio com o macartismo. Em seu filme, realiza assim o balanço de uma vida e de uma personalidade extremamente ricas e da maior importância para o cinema norte-americano.
 
Travessuras de Godard
O velho rebelde profissional, um dos expoentes da Nouvelle Vague, Jean-Luc Godard, continua um grande provocador, às vésperas de completar 80 anos (em dezembro). O último Festival de Cannes, em maio, programou este seu novo Film Socialisme (foto ao lado) na prestigiada seção Un Certain Regard. Mas o cineasta de cara já esvaziou a festa, colocando o filme na internet e não aparecendo na coletiva, na qual tinha confirmado presença.
 
Realizado seis anos depois de Nossa Música, o novo trabalho é mais fragmentado do que nunca. Une diferentes formatos, como digital e internet, para tecer considerações sobre a modernidade, numa narrativa vagamente dividida em três partes, em torno de um cruzeiro no Mediterrâneo, duas crianças que questionam os pais no “tribunal” de sua infância e múltiplas conversas sobre a Europa, a guerra, a justiça, em várias línguas (francês, árabe, alemão, russo).
 
É o tipo do filme-ensaio pelo qual o cineasta tem mostrado cada vez mais predileção e que dividirá, como sempre, profundamente as opiniões. A não ser que Godard tenha mesmo razão no mote do filme: “Ideias nos separam, sonhos nos unem”.
 
UMA CARTA PARA ELIA (A LETTER TO ELIA)
de Martin Scorsese, Kent Jones (60'). EUA.
Falado em inglês. Legendas eletrônicas em português.
Indicado para: 12 anos.
 
CINE LIVRARIA CULTURA 2                
Sessão: 1076 (Segunda)
01/11/2010 - 22:20
 
CINESESC                                
Sessão: 1270 (Quarta)
03/11/2010 - 21:10
 
BELAS ARTES - SALA 2                   
Sessão: 1370 (Quinta)
04/11/2010 - 20:10
 
FILM SOCIALISME (FILM SOCIALISME)
de Jean-Luc Godard (101'). FRANÇA, SUÍÇA.
Falado em francês. Legendas eletrônicas em português.
Indicado para: 14 anos.
 
UNIBANCO ARTEPLEX 1                    
Sessão: 1026 (Segunda)
01/11/2010 - 19:10
 
CINEMA SABESP                           
Sessão: 1142 (Terça)
02/11/2010 - 21:40

Deixe seu comentário:

Imagem de segurança