Terra dos Mortos

Ficha técnica


País


Sinopse

Num mundo dominado por zumbis, os poucos humanos remanescentes isolaram-se numa cidade, tentando evar uma vida normal. Um grupo de mercenários sai dali, de tempos em tempos, em busca de suprimentos. Enquanto isso, os mortos-vivos tentam destruir a cidade dos humanos.


Nota Cineweb

PéssimoRuimRegularBomÓtimo


Crítica Cineweb

20/07/2005

Objeto de culto por gerações de fãs do terror, a obra de George A Romero é uma das maiores tentativas de tornar o gênero um pouco menos isolado de discussões mais pertinentes ao cotidiano dos espectadores. De forma diferente a tantos outros cineastas (John Carpenter, Sam Raimi, Wes Craven, Tobe Hooper), que se preocupam mais com a estética, Romero manteve em sua trilogia dos mortos um gosto pelo conteúdo, investindo em críticas sociais e bélicas.

Apesar de ter realizado filmes dos mais variados temas, alguns bastante interessantes, sua fama se fez principalmente com a tal trilogia, em que utilizou o arquétipo dos mortos-vivos para analisar e denunciar os vícios de uma sociedade, nas respectivas décadas de produção. Em A Noite dos Mortos-Vivos (1968), as entrelinhas incluíam o racismo e a guerra do Vietnã. Nos anos 70, O Amanhecer dos Mortos-Vivos (1978) já chamava a atenção para o consumismo conspícuo e, por fim, nos anos 80, O Dia dos Mortos-Vivos (1985) criticava o militarismo e a ética da ciência.

No entanto, a leitura equivocada dos clássicos relegou à sua filmografia apenas a lembrança de moribundos buscando se alimentar de cérebros, em histéricas horas de gritos e absurdos. Afinal, não se espera que produções que andem pelo terror e pelo fantástico se envolvam com questões mais sérias. O recente A Vila, de M. Night Shyamalan, é uma prova disso, sendo criticado por mudar de assunto, enganando o espectador.

Assim, com o retorno de Romero às telas, como diretor e roteirista, os fãs se questionam qual será a crítica da vez, já que Terra dos Mortos se apresenta como a quarta parte da série. No filme, vemos uma grande cidade no Estados Unidos, anos depois que os mortos se levantaram de suas tumbas e destruíram praticamente toda a civilização. Os sobreviventes encontraram uma frágil estabilidade, isolando-se numa cidade-condomínio, longe dos mortos errantes.

A história, nesse contexto, envereda por dois grandes eixos: a vida nessa cidade, onde as classes dominantes vivem no luxo do edifício Fiddler’s Green e as classes mais pobres, imersas na miséria e prostituição, e o fato dos mortos começarem a evoluir. Na prática, como deve sair para buscar alimentos em outras regiões, infestadas de mortos, a milícia de cidade começa a perceber que os então errantes defuntos, agora, começam a pensar. Ou seja, podem romper as cercas que protegem a cidade e seus habitantes.

De forma geral, a metáfora é passada de forma transparente: os zumbis são massas oprimidas que se rebelam contra um sistema que os exclui, enquanto coloca sua população em constante estado de alerta. Soa familiar? No entanto, por outro lado, o personagem central da trama, o comandante mercenário da milícia, Riley (Simon Baker), expressa uma vontade de abandonar qualquer tipo de contato humano, porque entende que a humanidade possui equívocos inerentes a sua formação, que apontam sempre para a iniqüidade.

Essas motivações de Romero transformam Terra dos Mortos num de seus filmes mais pessimistas, opinando que o projeto de civilização ocidental está fracassado desde sua construção. É uma das formas de se ver um filme que possui, em grande parte de suas cenas, crânios sendo destruídos, assassinatos e humanos e monstros que andam apesar de não possuírem coração (isso vale para os dois lados). Afinal, de original, original mesmo, não há nada na nova produção de Romero.

Rodrigo Zavala


Deixe seu comentário:

Imagem de segurança