Maldito Coração

Ficha técnica


País


Sinopse

Menino de 7 anos, que vivia com pais adotivos, vai novamente morar com a mãe (Asia Argento) que o abandonou e que recuperou na justiça a sua guarda. Drogada e irresponsável, ele arrasta o próprio filho numa vida desregrada e cheia de abusos.


Nota Cineweb

PéssimoRuimRegularBomÓtimo


Crítica Cineweb

23/01/2006

Maldito Coração pode ser descrito numa linha como o roteiro da destruição de uma criança, Jeremias (interpretado, em idades diferentes, por Jimmy Bennett e pelos gêmeos Cole e Dylan Sprouse). O garoto de 7 anos vivia feliz na casa de pais adotivos quando sua mãe verdadeira, Sarah (Asia Argento) ganha de volta sua guarda. A partir daí, mergulha o menino num verdadeiro pesadelo, exposto a todo tipo de manipulação e maus tratos, tanto por parte da mãe drogada e louca como de seus namorados nada melhores.

No curto intervalo em que o menino é abandonado pela mãe, pela segunda vez, e vai morar com os avós (Ornella Muti e Peter Fonda), sua vida não melhora muito. Eles são fundamentalistas religiosos adeptos de doutrinação permanente e castigos físicos. O menino até embarca nessa vida até o dia em que a mãe reaparece, levando-o estrada afora, para uma rodada ainda mais radical de abuso, inclusive sexual.

A história é baseada em contos supostamente autobiográficos de JT Leroy - que, segundo apurou recentemente o jornal The New York Times, é uma mulher e nunca viveu nada disso que escreveu. Independente disto, seus temas são fortes e poderiam render um filme à altura. O problema é que a elaboração do roteiro e a direção imprimem-lhe uma marca maniqueísta demais. Não há nuances nestes personagens, o que limita a autenticidade aos meninos que, alternadamente, interpretam Jeremias.

O filme é todo permeado de emoções em alta voltagem, mas falta-lhe uma espinha dorsal. A atriz, roteirista e diretora Asia Argento parece identificada com o tema que escolheu retratar, mas seria bem melhor se tivesse convocado a ajuda de alguém mais tarimbado para dar consistência a este caos.

Neusa Barbosa


Deixe seu comentário:

Imagem de segurança