O Grande Chefe

Ficha técnica

  • Nome: O Grande Chefe
  • Nome Original: Direktøren for det hele / The boss of it all
  • Cor filmagem: Colorida
  • Origem: Dinamarca
  • Ano de produção: 2006
  • Gênero: Comédia
  • Duração: 99 min
  • Classificação: Livre
  • Direção: Lars von Trier
  • Elenco:

País


Sinopse

Dono de empresa finge que é apenas um gerente. No dia em que resolve vender tudo, contrata um ator para passar-se pelo presidente da firma. Os empregados têm reações imprevisíveis.


Nota Cineweb

PéssimoRuimRegularBomÓtimo


Crítica Cineweb

23/08/2007

Senta, que vem provocação. Este é mais uma vez o espírito zombeteiro com que se arma o diretor dinamarquês Lars von Trier, para compor este cínico mergulho na cultura das corporações.

Entrando neste ambiente que foi impiedosamente demolido em filmes como o argentino O que Você Faria, Von Trier retrata a história de uma pequena empresa de informática cujo dono real, Ravn (Peter Gantzler), não revela sua verdadeira condição aos empregados. Todos acreditam que, na verdade, ele não passa de um gerente. Um dia, Ravn decide contratar um ator desempregado, Svend (Jens Albinus, de Os Idiotas), para passar-se pelo “Grande Chefe”.

Há toda uma agenda secreta por trás da chegada do suposto supercomandante. Ravn quer vender a empresa, embolsar a grana e demitir todo mundo sem se mostrar. Neste momento de tensão, nada melhor do que contar com um forasteiro para tornar-se o alvo das compreensíveis reações dos empregados em perigo.

Os empregados também são um caso à parte, uma verdadeira coleção de maníacos, alguns, verdadeiros psicopatas. Svend, na pele do “Grande Chefe”, enfrenta muito mais do que desabafos. Sua integridade física corre perigo.

Sempre de olho no desmascaramento dos rituais da própria arte cinematográfica, que também se nutre de um jogo de aparências, vê-se e ouve-se Von Trier conduzindo a narrativa em mais de um momento. Esse tipo de metalinguagem interessa sempre ao diretor de Dogville e Manderlay. Embora aqui ele não atinja o nível desses dois trabalhos, ainda assim O Grande Chefe não deixa de oferecer um eficiente comentário sobre diversas idiotices da vida corporativa.

Um elemento de humor que permanece um tanto inacessível à platéia brasileira refere-se às diferenças entre dinamarqueses e islandeses – é islandês o grupo que pretende comprar a empresa de Ravn. Uma curiosidade é que Finnur, o irascível presidente da companhia islandesa, é interpretado pelo cineasta Fridrik Thor Fridriksson, que já veio ao Brasil na condição de jurado da Mostra Internacional de São Paulo.

Neusa Barbosa


Deixe seu comentário:

Imagem de segurança