Intrigas de Estado

Ficha técnica


País


Sinopse

Cal McAffrey é um jornalista veterano especializado em política. Quando três mortes acontecem, ele descobre uma ligação entre elas e um amigo congressista, que teve um caso com uma das vítimas. As investigações, no entanto, trazem à tona outras mentiras e esquemas ilícitos.


Nota Cineweb

PéssimoRuimRegularBomÓtimo


Crítica Cineweb

10/06/2009

O futuro incerto do jornal impresso é o pano de fundo do suspense Intrigas de Estado. As imagens finais do filme, mostrando a confecção de um jornal, registram uma certa nostalgia, que remete a histórias protagonizadas por jornalistas em busca de uma grande matéria. Não por acaso, o longa tem um certo parentesco com Todos Os Homens do Presidente (76) e também com Ausência de Malícia (81) – ambos mostrando os bastidores do chamado Quarto Poder.

Os dois personagens centrais aqui são jornalistas – um escreve para o jornal impresso, outra, para o blog do jornal sobre política. Se no começo eles se estranham, com o passar do tempo precisam unir forças para desvendar um crime, cujos desdobramentos tornam-se cada vez maiores, podendo resultar num grande furo de reportagem – o que não é nada mau para um jornal que está agonizando.

Ele é Cal McAffrey (Russell Crowe), jornalista veterano, com uma aparência meio suja, mas corajoso. Ela é Della Frye (Rachel McAdams), jovem promissora e empolgada que não se importa em arriscar-se por uma boa matéria, desde que não tenha que infringir a lei. Logo descobrirá que uma boa reportagem pode implicar a quebra algumas regras. O furo em questão envolve um congressista, Stephen Collins (Ben Affleck), que investiga uma corporação que mantém laços com o governo norte-americano.

Quando três pessoas são mortas, entre elas a assistente de Collins, mentiras e segredos vêm à tona. A primeira revelação é que Collins e a moça tinham um caso. O político é obrigado a confirmar esse rumor. Seria muito simples se ele e sua mulher Anne (Robin Wright Penn) pudessem apenas deixar esse erro para trás e seguir em frente. Mas à medida em que McAffrey e Della investigam o caso, mais sujeira vem à superfície – o que garante ao filme uma meia-dúzia de reviravoltas inesperadas mas plausíveis.

Cal e Collins são amigos de longa data e isso traz um novo dado à trama. Deveria Cal colocar a amizade acima do profissionalismo? É ético usar sua amizade para conseguir informações? Como argumenta sua pragmática editora, Cameron Lynne (Helen Mirren de A Rainha), “jornalistas não têm amigos, têm fontes”. O jornalista em questão, no entanto, quer preservar tanto seu amigo quanto sua fonte – mas descobrirá que isso é impossível.

Baseado numa série homônima da rede britânica BBC exibida em 2003 e dirigido por Kevin McDonald (O Último Rei da Escócia), Intrigas de Estado explora com sagacidade o gênero ‘jornalistas destemidos’, que existe desde a década de 1930 e já rendeu desde comédias românticas, como Jejum de Amor (1940) a suspenses recentes, como O Zodíaco (2007). Aqui, a mídia impressa dos EUA pós-Bush transforma fatos em bolas de neve, sempre ávida por dar a notícia antes dos concorrentes – especialmente os da internet.

Se às vezes McAffrey parece esperto demais ao conectar todos os pontos tão rapidamente, não é bem pela sagacidade do personagem, mas pela necessidade de condensar as seis horas da série britânica em um filme de apenas duas.

McDonald, que começou no cinema com documentários (entre eles, os premiados Desafio Vertical e One Day in September, este último vencedor do Oscar da categoria em 2000), sabe como conduzir a tensão. Ao mesmo tempo, também parece sentir prazer em disparar farpas contra o jornalismo impresso – e as imagens finais de Intrigas de Estado talvez, em alguns anos, se tornem lembranças de um passado recente.

Alysson Oliveira


Deixe seu comentário:

Imagem de segurança