Um sonho possível

Ficha técnica


País


Sinopse

Michael Oher é um rapaz sem casa e com muitas feridas emocionais. No entanto, a ajuda de uma família transforma-o num grande jogador de futebol americano. Baseado num caso real.


Nota Cineweb

PéssimoRuimRegularBomÓtimo


Galeria de fotos

  • Um Sonho Possível - a família reunida
  • Um Sonho Possível - Quinton Aaron
  • Um Sonho Possível - Quinton Aaron
  • Um Sonho Possível - Sandra Bullock e Quinton Aaron
  • Um Sonho Possível Sandra Bullock
  • Um Sonho Possível - Sandra Bullock e Quinton Aaron
  • Um Sonho Possível 8
  • Um Sonho Possível - Sandra Bullock e Quinton Aaron
  • Um Sonho Possível -  Quinton Aaron e o menino Jae Head
  • Um Sonho Possível - Sandra Bullock e Quinton Aaron
  • Um Sonho Possível  12
  • Um Sonho Possível - Kathy Bates e Quinton Aaron

Crítica Cineweb

21/01/2010

Há apenas um motivo para gerar curiosidade para se ver Um sonho possível: o longa rendeu à queridinha da América Sandra Bullock (A proposta) o Oscar de melhor atriz, tirando a estatueta de Meryl Streep (“Julia & Julia”), Helen Mirren (The last station), Carey Mulligan (Educação) e Gabourey Sidibe (Preciosa) – todas merecendo muito mais o prêmio, em filmes bem melhores.
 
O prêmio de Sandra talvez tenha mais a ver com boa vontade e política de boa vizinhança do que qualidades cinematográficas. Afinal, ela trabalha em Hollywood há mais de 20 anos e nunca havia ganhado um prêmio importante. Em 2010, no entanto, fez a proeza de ganhar não apenas o Oscar, mas também um Framboesa de Ouro (o ‘Oscar’ de pior filme) por Maluca Paixão – lançado no Brasil diretamente em DVD.
 
Em Um sonho possível, a atriz interpreta Leigh Anne Tuohy, uma decoradora mais preocupada com estampas de tapetes do que causas humanitárias. Isso até conhecer o afroamericano Michael Oher (Quinton Aaron, de Rebobine, por favor), rapaz grandalhão que parece levar jeito para tornar-se um bom jogador de futebol americano e que, por isso, ganha uma bolsa de estudos numa escola classe A do Mississippi.
 
Mas ele não tem nem mesmo uma casa para morar e Leigh Anne, cujos filhos estudam na mesma escola, sensibiliza-se com isso, levando o rapaz para morar em sua casa, e fazer parte de sua família. Seu marido, interpretado pelo cantor country Tim McGraw (Surpresas do amor), se encanta com o altruísmo de sua mulher e embarca na causa, dando casa, comida, roupa lavada e uma picape para o rapaz. Ah, eles também o adotam legalmente, mostrando que essa família sulista é caridosa demais.
 
Baseado numa história real, daquelas cheias de improbabilidades e muita inspiração, o filme é dirigido e roteirizado John Lee Hancock, a partir de um livro escrito por Michael Lewis. Apesar da boa vontade excessiva de Um sonho possível, pouca coisa – ou praticamente nada – se salva no filme. O diretor parece, na verdade, ter medo de colocar o dedo na ferida, de ir a fundo a temas que surgiriam naturalmente numa história como essa, como racismo no sul dos EUA e diferenças de classe. Pelo contrário. Esse é um filme que quer agradar sem questionar ou fazer pensar, por isso tudo é muito arrumadinho e os problemas muito facilmente resolvidos. Oher, um garoto que literalmente tem apenas as roupas do corpo, não sofre nenhum tipo de discriminação na escola – nem pelas crianças ou pelos pais de alunos.
 
Com sua vontade de divertir, emocionar e conscientizar, Um sonho possível atira para todos os lados e, no final das contas, sua mensagem truncada é de que se cada um fizer a sua parte e for uma boa pessoa, este será um mundo melhor. Nada mais reducionista e monocromático do que tentar vender essa visão de Estados Unidos – e porque não do mundo – tão simples que nem os filmes infantis lidam com estereótipos como esse há muito tempo. Aliás, se Um sonho possível fosse um filme infantil, o animal tagarela, melhor amigo do protagonista e alívio cômico seria o caçula da família, S. J. (Jae Head, de Hancock).
 
Ao final, com sua mensagem absurdamente paternalista, Um sonho possível mais parece um filme de propaganda de algum país colonialista mostrando como as pessoas de bom coração são capazes de salvar alguém da miséria e que, se todos fizessem como elas, o mundo seria um lugar melhor. Mas vale lembrar, por mundo entenda-se um universo paralelo onde não existem conflitos.  

Alysson Oliveira


Trailer


Comente
Comentários:
  • 19/03/2010 - 15h29 - Por Roberto Alysson, com todo respeito sua crítica não foi muito bem fundamentada e mais parece "dor de cotovelo" de alguém que nunca teve uma chance dessas na vida e por isso acha a história muito cheia de boa vontade e pouco conteúdo. Por favor não leve meu comentário pro lado pessoal. Estou criticando sua crítica ao filme. Você chegou a assistir o filme, ler o livro, se inteirar da história? Ele sofreu preconceito, sim. E o filme mostra isso. Existem n motivos para se assistir a este filme e a Sandra Bullock é somente uma delas, que, aliás, recebeu inúmeros votos para o prêmio e aparentemente só você discordar. E não me leve a mal, mas até ler sua crítica no UOL, eu sequer tinha ouvido falar de você, então continua valendo a indicação/vitória da Bullock do que os seus comentários superfluos em sua crítica, que diga-se de passagem foi muito bem escrita. Por favor, não me leve à mal! E por favor, não se torne mais um Rubens Ewald Filho... pro bem de sua carreira! Evite essa direção... Ele entende tanto de cinema, quanto eu de mandarim.

    abraço,

    Roberto.
  • 28/03/2010 - 15h05 - Por Gabriel Moraes O filme é incrível! Sandra Bullock atuou com excelência,sem hipocrisia e "surrealismo".Uma personagem inesquecível,que com certeza mereceu ganhar o Oscar.As outras atrizes já ganharam ( como Maryl e Helen)ou ainda terão sua vez. Esse ano foi a vez de Sandra. Ela brilhou e mereceu tudo o que conquistou.
  • 01/05/2010 - 18h53 - Por Thiago Alysson, com todo respeito sua crítica não foi muito bem fundamentada e mais parece "dor de cotovelo" de alguém que nunca teve uma chance dessas na vida e por isso acha a história muito cheia de boa vontade e pouco conteúdo. Por favor não leve meu comentário pro lado pessoal. Estou criticando sua crítica ao filme. Você chegou a assistir o filme, ler o livro, se inteirar da história? Ele sofreu preconceito, sim. E o filme mostra isso. Existem n motivos para se assistir a este filme e a Sandra Bullock é somente uma delas, que, aliás, recebeu inúmeros votos para o prêmio e aparentemente só você discordar. E não me leve a mal, mas até ler sua crítica no UOL, eu sequer tinha ouvido falar de você, então continua valendo a indicação/vitória da Bullock do que os seus comentários superfluos em sua crítica, que diga-se de passagem foi muito bem escrita. Por favor, não me leve à mal! [2]
  • 29/07/2010 - 15h35 - Por gleicy eu adorei o filme UM SONHO POSSIVEL e d e muito engraçado gostaria de assistir mais vezes!!!
  • 13/08/2010 - 18h27 - Por pamela eu adorei o filme ainda mais com atriz Sandra bullock ela e uma otima atrizn6vb
  • 08/11/2010 - 11h05 - Por livia milena adorei esse filme muito importante, o que está acontecendo na nossa realidades!!%u2665%u2665cc
  • 19/02/2011 - 20h36 - Por lu um dos melhores filmes que eu assisti super emocionante e a sandra tava um arraso por isso deixe de ser amargurado e aprenda a ser um bom critico viu
  • 02/04/2011 - 17h42 - Por dennyse o filme é otimo
    muito interessante, gostei mesmo.
    parabens
  • 11/04/2016 - 09h15 - Por GUSTAVO ESSE FILME E MUITO BOM GOSTEI NOTA 10
Deixe seu comentário:

Imagem de segurança