Submarino

Ficha técnica


País


Sinopse

Quando crianças, dois irmãos sofrem uma experiência traumática e sofrem por ter uma mãe negligente. Quando adultos, se reencontram depois da morte dela e descobrem que cresceram repletos de problemas emocionais.


Nota Cineweb

PéssimoRuimRegularBomÓtimo


Crítica Cineweb

08/09/2011

Em Submarino, o dinamarquês Thomas Vinterberg volta à temática de seu melhor filme, Festa de Família (1998), para falar de tensões entre membros de uma família disfuncional. Aqui no entanto, a célula está desestruturada e a tensão implode logo nas primeiras cenas. A partir de então, depois de um fato marcante na infância, a vida de Nick e seu irmão caçula, que no filme não tem nome, toma caminhos distintos, mas com pontos de chegada bem parecidos.
 
Vinterberg, que assina o roteiro em parceria com Tobias Lindholm, a partir de um romance de Jonas T. Bengtsson, traça um retrato da desolação a partir da vida desses dois irmãos. Quando adulto, Nick (Jakob Cedergren) vive num abrigo e luta contra seu grande trauma da infância bebendo cerveja, levantando peso e mantendo uma relação estranha com a vizinha, uma mãe solteira.
 
O irmão mais novo (Mads Broe Andersen),dependente de drogas, tenta cuidar do filho pequeno, Martin (Gustav Fischer Kjærulff), para não perder a guarda da criança. Tal qual o mais velho, a vida do rapaz não é repleta de opções, tampouco motivações. O trauma da infância não o consome da mesma forma, mas ele acaba sendo o reflexo de sua figura materna, sempre ausente e entregue ao álcool e às drogas.
 
A vida opressiva e sombria desse grupo de pessoas é levada às telas com uma fotografia (assinada por Charlotte Bruus Christensen) que destaca tons escuros como um reflexo externo da existência interna amarga de cada um dos membros dessa família.

Alysson Oliveira


Trailer


Deixe seu comentário:

Imagem de segurança