A novela das 8

Ficha técnica


País


Sinopse

Amanda é uma garota de programa que não perde um capítulo da novela Dancin’ Days. Sua empregada, Dora, esconde um passado de luta armada e um filho adolescente com quem não pode ter contato. Quando as duas são obrigadas a fugir para o Rio de Janeiro, uma poderá levar a novela para o mundo real; a outra, acertar as contas com seu passado.


Nota Cineweb

PéssimoRuimRegularBomÓtimo


Crítica Cineweb

27/03/2012

Num tempo remoto quando a novela do horário nobre era conhecida como novela das 8 e começava mesmo às 8:30, Dancin’ Days fez história entre 1978 e 1979, ditando moda em figurino, trilha sonora, danças e gírias. O folhetim – lançado em DVD no final do ano passado – fazia um retrato da classe média carioca da época. No filme A novela das 8,  uma das maiores fãs do programa é Amanda (Vanessa Giácomo, de “Jean Charles”), prostituta que tenta marcar o horário de seus clientes de maneira a não perder o capítulo do dia.
 
Há dois pólos no filme. De um lado está Amanda, que, para usar um termo bem comum na época, era a alienada. E de outro, está Dora (Claudia Ohana, de Desenrola), sua empregada, com um passado que a patroa desconhece. Ela foi guerrilheira, presa e torturada, teve de se mudar para São Paulo, usando uma identidade falsa, deixando para trás um filho, Caio (Paulo Lontra), criado pelos avós.
 
O roteiro, assinado pelo diretor Odilon Rocha, tem Dancin’ Days não apenas como um motivo de fundo, mas também como inspiração para tramas e o visual do filme e de personagens. Amanda e Dora são obrigadas a fugir para o Rio de Janeiro, onde a garota de programa sonha em badalar e conhecer a verdadeira boate Frenetic Dancin’ Days. Já a guerrilheira, tal qual a personagem de Sonia Braga na novela, se aproxima do filho, que não a conhece, fingindo ser outra pessoa. Nos figurinos também há a homenagem. Em uma cena, por exemplo, Amanda usa o mesmo visual de espanhola da personagem de Sandra.
 
Mas as boas ideias de “A novela das 8” estão dispersadas ao longo do filme, ao qual falta força e unidade – apesar de ter duas excelentes atrizes como protagonistas. As tramas – especialmente aquela em que Caio quer assumir sua homossexualidade e se envolve com um diplomata em crise (Mateus Solano) -, muitas vezes parecem precisar de mais tempo para amadurecer. Em outras palavras, as deficiências do filme partem do seu alicerce: o roteiro.
 
Sobram homenagens – o personagem de Antonio Fagundes em Dancin’ Days também era um diplomata em crise, mas não era homossexual –, mas falta aprofundar os personagens para eles ganhem vida própria e deixem de ser a sobra daqueles da novela. O filme é um melodrama que poderia facilmente ganhar contornos almodovarianos com suas personagens femininas, mas falta exatamente aquela pulsação de vida dos filmes do espanhol, que lhe daria força e personalidade.
 
A novela das 8 propriamente dita – Dancin’ Days – mal aparece no filme, quando muito, se ouve a música de abertura. Faz falta, para aqueles que não conhecem o folhetim, assisti-lo um pouco mais para dimensionar a influência da novela. O filme tenta, até certo ponto, explorar o diálogo entre a realidade e a ficção. Mas do meio para o final sucumbe completamente à fantasia.

Alysson Oliveira


Trailer


Deixe seu comentário:

Imagem de segurança