Incompreendida

Ficha técnica


País


Sinopse

Com 9 anos de idade, Aria vive em uma família disfuncional, em Roma, na década de 1980. Prestes a se divorciarem, seus pais, ensimesmados em suas carreiras, não dão importância à menina, com olhos apenas para as filhas mais velhas. Na escola, ela não consegue se enturmar, tendo apenas uma confidente, Angélica. Negligenciada, Aria terá que tomar suas decisões sozinha.


Nota Cineweb

PéssimoRuimRegularBomÓtimo


Crítica Cineweb

23/06/2016

A indiferença dos pais em relação ao cuidado dos filhos é, por si só, um crime, muitas vezes invisível para aqueles que o cometem. Essa crueldade voraz, que asfixia o universo infantil, é a base do terceiro longa da produtora, atriz e diretora Asia Argento, Incompreendida, provocador drama sobre relações familiares, visto pelos olhos da criança.

Em um roteiro com colaboração da italiana Barbara Alberti (de Um Sonho de Amor), Argento elabora a história de Aria (Giulia Salerno), uma menina de 9 anos em busca de afeto. Em Roma, durante os anos de 1980, a protagonista vive perdida em relação ao seu entorno. Tendo apenas a sua amiga Angelica (Alice Pea) como confidente, se vê marginalizada, seja na escola, seja em casa.

Seus pais (Charlotte Gainsbourg e Gabriel Garko) – ela uma musicista, ele, um ator famoso –
são dois irresponsáveis, ensimesmados com suas carreiras. Além da completa falta de atenção a Aria, que destinam para as filhas mais velhas, Donatina e Lucrezia (Anna Lou Castoldi e Carolina Poccioni, respectivamente), ambos criam um ambiente completamente disfuncional, colecionando amantes, palavrões e brigas em decibéis ensurdecedores.

O providencial divórcio piora ainda mais a relação dos pais com a menina, que, como uma bola de pingue-pongue, quica entre uma e outra casa sem um lar para chamar de seu. O infortúnio continua quando Angelica resolve se bandear para o lado das “populares” da escola, deixando Aria definitivamente só – exceto por seu gato preto, Dac.

Asia Argento exagera, intencionalmente, nas adversidades de sua protagonista, mas ela tem um ponto a discutir com essa decisão: como todos essas vivências afetam a formação da menina e sua própria fantasia. Não por acaso, todas as vezes em que usa bonecos para brincar de namoro, simula um estupro. Para ela, violência é a marca, enfim, das relações (desiguais) entre homens e mulheres.

Nessa difícil situação, a jovem atriz Giulia Salerno se sobressai, graças também ao trabalho da própria diretora, que há mais de uma década dá aulas de interpretação para crianças, filantropicamente. Mas é a atuação de Charlotte Gainsbourg que alimenta o conflito, ao lado de Gabriel Garko, que seria um alívio cômico caso não fosse desprezível.

Muito se fala que o enredo tem um pouco de biográfico, já que Asia, filha do diretor de cinema Dario Argento e da atriz Daria Nicolodi, poderia ter sido negligenciada por causa da carreira artística dos pais. Mais: não apenas o nome do meio da diretora é Aria, como a protagonista e ela compartilhariam a mesma idade (nasceu em 1975). Mas Asia afirmou reiteradamente que se inspirou em histórias que presenciou, mas não viveu.

De todo modo, em um dos pontos Incompreendida é universal, quando Asia Argento cita o Papa João XXIII (1881 – 1963): “Quando você voltar para casa, encontrará seus filhos: dê carinho a eles”. Pelo que se vê na tela, trata-se de um alerta.

 

Rodrigo Zavala


Trailer


Deixe seu comentário:

Imagem de segurança