Tina

Tina

Ficha técnica

  • Nome: Tina
  • Nome Original: Tina
  • Cor filmagem: Colorida
  • Origem: EUA
  • Ano de produção: 2020
  • Gênero: Documentário
  • Duração: 118 min
  • Classificação: 12 anos
  • Direção: TJ Martin, Dan Lindsay
  • Elenco:

País


Sinopse

Nascida em Nutbush, Tennessee, em 1939, Anna Mae Bullock tornou-se Tina Turner, uma das maiores cantoras pop de todos os tempos. O documentário resgata os principais momentos de sua vida e sua carreira.


Nota Cineweb

PéssimoRuimRegularBomÓtimo


Crítica Cineweb

22/06/2022

Nenhum documentário ou livro é capaz de dar conta por inteiro do furacão Tina Turner, até porque nunca houve uma mulher como ela - e provavelmente, nunca haverá. Mas Tina, assinado pelos diretores Dan Lindsay e TJ Martin, desafia as limitações ao oferecer um retrato honesto desta que tem sido uma das maiores artistas pop dos últimos 50 anos, além de um símbolo feminino contra o abuso marital.
 
Mergulhando em vasto material de arquivo, o filme resume alguns dos maiores momentos da carreira da cantora, nascida Anna Mae Bullock, na cidadezinha de Nutbush, Tennessee, que demonstram não só sua incansável vitalidade como sua capacidade de reinventar-se continuamente, guiada por seu talento e por alguns sensíveis produtores pelo caminho.
 
Dona de dons naturais com sua voz e dança - ela não teve estudo prévio de nada disso, aprendeu por si -, Tina certamente pagou seu tributo ao ex-marido Ike Turner, que lhe deu esse nome artístico, foi seu parceiro na vida e no palco mas também marcou seu corpo e sua alma com violência física e psicológica por vários anos. Como que paralisada pelo medo, Tina aguentou a parada por vários anos, o que ocasionou algumas tentativas de suicídio até que, fortalecida interiormente pelo budismo, ela resgatou em si a força de sair do círculo infernal desse casamento, em 1976.
 
Foi uma decisão corajosa e difícil, que a levou a deixar para trás tudo o que acumularam financeiramente. Ela só garantiu no tribunal a posse deste nome artístico, cujo prestígio, afinal, era todo dela. O documentário acompanha esse renascimento de Tina em carreira solo, ao lado do empresário Roger Davies, que a guiou numa mudança de imagem que a levou a seu período de consagração mundial, nos anos 1980, que incluiu o sucesso da canção What’s Love Got to Do With It (de que ela não gostava), o álbum Private Dancer (que alcançou o primeiro posto nas paradas mundiais e foi o álbum do ano), a turnê de Break Every Rule, que teve 280 shows pelo mundo (e neste filme se vêem cenas do show no Rio de Janeiro) e a participação no filme Mad Max - Além da Cúpula do Trovão
 
Com o livro autobiográfico Eu, Tina, e o filme Tina - A Verdadeira História de Tina Turner, estrelado por Angela Bassett em seu papel, a magnética cantora pensava poder encerrar o assunto Ike Turner, que não parava de ser levantado em entrevistas. Isso ela não conseguiu. Até mesmo depois da morte do ex-marido, em 2007, o tema não parou de ser abordado com ela. 
 
Mas nada disso parou essa mulher, verdadeiro fênix que, aos 73 anos, em 2013, casou-se com o produtor alemão Erwin Bach, 17 anos mais novo, com quem ela vive até hoje, em Zurique (ela também adquiriu a nacionalidade suíça). Um final feliz para essa cantora e pessoa incrível, que teve sua trajetória justamente homenageada em 2019 com um musical em Nova York, Tina: The Tina Turner Musical. Tudo é pouco para dizer quem é essa mulher, mas este documentário tenta com dedicação e cuidado.

Neusa Barbosa


Deixe seu comentário:

Imagem de segurança