Freddy X Jason

Ficha técnica

  • Nome: Freddy X Jason
  • Nome Original: Freddy vs. Jason
  • Cor filmagem: Colorida
  • Origem: EUA
  • Ano de produção: 2003
  • Gênero: Terror
  • Duração: 97 min
  • Classificação: 14 anos
  • Direção:
  • Elenco:

País


Nota Cineweb

PéssimoRuimRegularBomÓtimo


Crítica Cineweb

24/10/2003

Quando a produção foi anunciada há 10 anos, a idéia soou um tanto absurda, mesmo para os fãs do gênero. Afinal, quem poderia vencer uma luta entre dois ícones do terror, sendo ambos imortais? Fato que rendeu nada menos do que dez filmes sobre Jason Vorhees, em suas sangrentas sextas-feiras 13, e sete continuações para Freddy Kruger, nas infindáveis horas do pesadelo.

Mas numa indústria em que o dinheiro fala mais alto do que o senso do ridículo, chega aos cinemas o mais delirante duelo do mal; finalmente estréia Freddy vs. Jason. Para quem acompanhou durante as décadas de 80 e 90 os dois fenômenos, o filme gera uma curiosidade quase obscena. A questão é pertinente pois, como se viu nos últimos anos, Freddy só pode atacar em sonhos e Jason não parece o tipo de monstro que tira uma soneca depois de matar um monitor de acampamento.

A questão foi resolvida seguindo a mesma lógica que move a história dos personagens: nenhuma. O aguardado roteiro mostra um Freddy Kruger (Robert Englund) derrotado. Seus gloriosos anos assassinando adolescentes na cidade de Springwood ficaram para trás. Sem forças, já que ninguém mais o teme, vive num inferno sem qualquer perspectiva.

Para mudar isso, Freddy revive o indestrutível Jason (Ken Kirzinger), que também está de férias, e o envia a Springwood, onde poderá matar alguns adolescentes e instaurar um clima de pânico na região. Como ninguém ali conhece Jason, pensam que é o Freddy e o medo volta aos corações dos jovens da cidade. Sentimento que alimenta o poder do vilão e o faz manter sua forma. Quem precisa de academia no inferno?

O plano Freddy parece funcionar. No entanto, como era de se esperar, Jason se descontrola e começa a matar compulsivamente, acabando com o estoque de vítimas frescas. De que adianta voltar se não tem ninguém para matar? Nesse ponto, a batalha começa.

No comando de tudo isso está Ronny Yu, diretor que fez fama em sua terra natal, Hong Kong, e é um dos cineastas asiáticos que teve alguma sorte ao imigrar para Hollywood. O mesmo que, em 1998, foi injustamente ridicularizado por A Noiva de Chucky (quarto filme da trilogia de Brinquedo Assassino), já que não tinha muito o que fazer com o insosso roteiro.

No entanto não há como negar que Yu possui uma técnica excepcional, dando às suas produções um grande dinamismo e estilo visual. E é isso que entrega ao filme. O grande problema é que suas qualidades não são suficientes para vencer o estapafúrdio argumento de Freddy vs. Jason. Principalmente no que se refere aos personagens "humanos", realmente irritantes.

E o que dizer dos protagonistas? É bem verdade que entre Sexta-Feira 13 e A Hora do Pesadelo, o segundo faz mais sentido. Quem lembra dos primeiros episódios de Jason sabe que ele sequer era o assassino do primeiro filme: era apenas uma criança morta. Inexplicavelmente ele retorna no segundo episódio como um monstro de quase dois metros de altura. Por isso, Kruger parece ser mais autêntico e coerente.

Apesar de uma qualidade técnica razoável, filmes como A Hora do Pesadelo são maltratados pela crítica. Por puro preconceito, alegam os fãs. Mas não é só isso. O que incomoda, na verdade, é que a fórmula do gênero tem sido freqüentemente denegrida pela imitação. Fato, que por si só, interrompe o raciocínio de desenvolvimento e evolução não apenas do gênero, mas do que se pode imaginar como cultura cinematográfica.

Por esse motivo, não é impossível uma continuação dessa batalha. Quem sabe, mais tarde, entre times. De um lado, o time dos Sangüinários: Freddy, Chucky e Daniel Robitaille (Candyman). Do outro, os Mascarados do Inferno: Jason, Michael Myers (Halloween) e Leatherface (O Massacre da Serra Elétrica). Neste futebol da escatologia, quem marca gol são os fãs da cultura trash.

Rodrigo Zavala


Comente
Comentários:
  • 13/06/2014 - 17h03 - Por Gladstonier Serrano Não seria possível um filme que tenha Jason e Michael Myers, visto que Jason só ataca na sexta-feira 13 e Michael no dia 31 de outubro... Não seria lógico. Mas um filme com um duelo entre os dois seria muito massa. O que não morre (Michael Myers) e o que sempre volta...
Deixe seu comentário:

Imagem de segurança